O barbarismo é coisa do passado

A cultura de vinho na Europa data de antes dos Romanos: na Grécia antiga, o vinho era apreciado pelos poetas, historiadores e artistas, e era frequentemente mencionado nos trabalhos de Esopo e Homero. No entanto, na Grécia, o vinho era considerado como um privilégio das classes altas. Dionísio, o deus grego do vinho, representava não só o poder inebriante do vinho como também a sua influência social benéfica. Era visto como o promotor da civilização, um legislador e um amante da paz – bem como a divindade padroeira da agricultura e do teatro. De facto, de acordo com Tucídides, historiador da Grécia antiga, “os povos do mediterrâneo começaram a emergir do barbarismo quando aprenderam a cultivar a oliveira e a videira”.


Celebrando a moderação

O vinho evoluiu como parte da vida, cultura e dieta europeias desde tempos imemoriais. A produção de vinho emergiu na Europa com a expansão do Império Romano pelo Mediterrâneo, quando muitas das principais regiões de produção que ainda hoje existem foram estabelecidas. Mesmo nessa altura a produção de vinho era uma lavoura específica que promovia o desenvolvimento de diferentes variedades de uvas e técnicas de cultivo. Os barris para armazenamento e transporte emergiram, foram usadas garrafas pela primeira vez, e até se desenvolveu um sistema rudimentar de designações à medida que algumas regiões ganharam reputação devido aos bons vinhos. À medida que a produção de vinho se tornou progressivamente mais refinada a sua popularidade aumentou, e as tabernas de vinho tornaram-se numa característica comum nas cidades por todo o Império.


A arte da dispersão da vitivinicultura pela Europa

Com a passagem dos séculos, a arte de fazer o vinho espalhou-se para França, Espanha, Alemanha e partes da Bretanha. Por esta altura o vinho era considerado uma parte importante da dieta diária e as pessoas começaram a preferir vinhos mais fortes e pesados. O gosto europeu pelo vinho resistiu durante a Idade das Trevas. Em parte porque beber água ainda não era de confiança, o vinho era a alternativa preferida para acompanhar as refeições. Ao mesmo tempo, a vinicultura e a viticultura avançaram graças à lavoura dos mosteiros da Igreja em todo o continente, que deu origem às melhores vinhas na Europa. Os monges beneditinos, por exemplo, tornaram-se nuns dos maiores produtores, com vinhas nas regiões francesas de Champanhe, Borgonha e Bordéus, bem como nas regiões alemãs de Rheingau e da Francónia. As classes mercadoras e nobres bebiam vinho com todas as refeições e mantinham as adegas bem fornecidas. Durante o século XVI o vinho começou a ser apreciado como uma alternativa mais sofisticada à cerveja e, à medida que os produtos vitivinícolas se começaram a diversificar, os consumidores começaram a valorizar o conceito de variar os seus hábitos de consumo. As pessoas começaram a discutir os vícios e virtudes do vinho com mais gosto do que nos séculos anteriores. O celebrado Shakespeare da Inglaterra elizabetiana observou que “bom vinho é uma boa criatura familiar se for bem usado”, comentando implicitamente o uso impróprio do vinho na altura. A época Shakespeariana viu a disponibilidade de água fresca em Londres como um progresso que levou a indústria do vinho para uma nova era.


A época dourada do vinho

Nos séculos XVII e XVIII, técnicas de produção melhoradas resultaram no aparecimento de melhores qualidades de vinhos, no início do uso de garrafas de vidro com rolhas e na invenção do saca-rolhas. Neste ponto a indústria francesa do vinho destacou-se, sendo dado um reconhecimento particular aos claretes da região de Bordéus pelos comerciantes dos Países Baixos, Alemanha, Irlanda e Escandinávia. Os Bordéus trocavam vinho por café e outros itens procurados do Novo Mundo, ajudando a consolidar o papel do vinho no comércio mundial emergente. Apesar de o século XIX ser considerado a época dourada do vinho para muitas regiões, não o foi sem tragédia. Por volta de 1863 muitas videiras francesas sofreram de uma doença causada pela Filoxera, que sugava o sumo através das raízes. Quando foi descoberto que na América as videiras eram resistentes à Filoxera, decidiu-se plantar videiras americanas nas regiões francesas afectadas. Isto originou uvas híbridas que produziram uma maior variedade de vinhos. Também por esta altura, os produtores franceses deslocaram-se para a região da Rioja no norte de Espanha e ensinaram o povo espanhol a fazer vinho das uvas locais.

O vinho hoje

Ao longo dos últimos 150 anos o fabrico do vinho foi completamente revolucionado como uma arte e ciência. Com o acesso à refrigeração, o controlo da temperatura do processo de fermentação nas adegas foi facilitado tal como a produção de vinhos de alta qualidade em climas quentes. A introdução de maquinaria na colheita permitiu que as vinhas se tornassem maiores e mais eficazes. Apesar de a indústria do vinho enfrentar o desafio de satisfazer a procura de um mercado ainda maior sem perder o carácter individual dos seus vinhos, a tecnologia ajuda a garantir uma oferta sólida de vinhos de qualidade. A apreciação moderna de vinho presta homenagem à arte intemporal de produção de vinho e demonstra a importância do vinho na história e diversidade da cultura europeia.


DESFRUTE DO MELHOR QUE O VINHO TEM PARA OFERECER!
Perceber o vinho que está a beber e descobrir de onde provém o seu carácter único torna o seu consumo mais aprazível, mas não se esqueça de que o vinho é apreciado apenas quando consumido com moderação.






O consumo de vinho requer maturidade: os menores não devem beber
As mulheres grávidas devem evitar o consumo de bebidas alcoólicas
Se vai conduzir evite beber – em qualquer caso – nunca exceda os limites da Taxa de Álcool no Sangue (TAS) legalmente estabelecidos para os condutores





Sempre consulte seu médico em caso de dúvida!




14/09/2016 | Cultura
The history of Greek wine

Throughout the age-old history of Greek wine, the association of vine and wine has been inextricably linked with the inhabitants of this corner of the world, in every nook and cranny of the country. And so, inevitably, any account of the history of Greek wine will encompass elements relating to Greece’s culture, economy, religion, social as well as everyday life, and include the regions where viticulture, winemaking and wine consumption flourished.

24/04/2016 | Cultura
Archaeologists discover ancient mosaic with message: 'Be cheerful, enjoy your life'
Excavation of the ancient mosaic, which dates back to 3rd century BC Anadolu Agency

The mosaic shows a skeleton reclining with a pitcher of wine and loaf of bread alongside Greek text that reads: 'Be cheerful, enjoy your life'.

05/01/2016 | Cultura
How wine contributed to the creation of modern Europe

An archaeological project has challenged assumptions that the Early Iron Age wine trade was simply a coastal activity. Through analysis of ancient wine containers found in Central Europe, an EU-funded researcher has asserted that early European trade was more complex than previously thought.

18/07/2014 | Cultura
Top 10 Wine Poems
"Wine and poetry have long enjoyed a happy relationship, the one often fuelling the other. But while wine has served as a poet’s muse since time immemorial, a number of scribes have gone a step further and penned odes to wine, from English romantic poet Percy B. Shelley rhapsodising about the vine’s “kindling clusters” to Chilean poet Pablo Neruda describing wine as the “starry child of the earth with your feet of purple or topaz blood.”
01/07/2014 | Cultura
Malbec: Argentina’s Flagship
Vines in Argentina Malbec is Argentina's flagship variety, and the country has the largest Malbec acreage in the world. This variety originally comes from South West France, where it is called Cot and features a hard, tannic style. Due to its intense color and dark hues, wines obtained from this variety were once called “the black wines of Cahors.” These wines consolidated their prestige in the Middle Ages and gained full recognition in modern times.
09/12/2013 | Cultura
Traditional Georgian winemaking method makes the list of Intangible Cultural Heritage of Humanity
Jugs used for making wine

On 4 December 13, Qvevri, the traditional Georgian winemaking method, was added to the List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity.

Share on Facebook Share on twitter Share on google plus