Vinho: a cultura da moderação


O vinho evoluiu como parte da vida, cultura e dieta europeias desde tempos imemoriais. Como um símbolo cultural duradouro da vida europeia, o papel do vinho tem evoluído ao longo do tempo, mudando de uma importante fonte de nutrição para um complemento cultural da comida e do convívio, compatível com um estilo de vida saudável. A arte da viticultura também evoluiu, mas um princípio que não mudou é a tradição europeia de apresentar e comunicar o vinho, com ênfase nas origens, herança e viticultura. Assim, o vinho tende a estar associado à gastronomia, história, produtos locais de qualidade e ambientes sociais dignos.


A apreciação cultural europeia de vinho reflecte a diversidade da experiência europeia, savoir-vivre e hábitos culinários. Os produtos de qualidade incitam a padrões de consumo moderado, dado que os seus sabores complexos e de carácter único podem ser apreciados e desfrutados em pleno apenas quando saboreados lentamente e com moderação.


O sector vitivinícola e os seus operadores económicos fornecem um contributo económico, social, agrícola e ambiental inestimável. As regiões vitícolas na Europa produzem uma variedade interminável de produtos excelentes. Apesar de o vinho permanecer um produto natural, as inovações tecnológicas proporcionaram melhor higiene e controlo do processo de produção, contribuindo para a produção de vinhos adequada ao gosto dos consumidores contemporâneos. De facto, o consumo global de vinho na Europa diminui enquanto os padrões de escolha de vinhos de alta qualidade aumentaram para desfrutá-los com moderação, como parte de um estilo de vida moderno, sustentável e saudável..


Contudo, por oposição à cultura inerente do vinho, muitos países estão a registar tendências preocupantes de uso impróprio do álcool, especialmente relacionadas com o designado "binge drinking" (consumo excessivo esporádico de álcool) num determinado grupo socioeconómico e etário, com fortes implicações jurídicas, económicas, sociais e na saúde. Apesar das diferenças no consumo verificadas no mundo inteiro, os estudos demonstram que o consumo moderado continua a ser a norma; apenas uma minoria de pessoas faz um uso impróprio da bebida de elevada qualidade que é o vinho.


Ao reconhecer os perigos para a saúde e as consequências negativas a nível social e económico que podem advir do uso impróprio de bebidas alcoólicas e o facto de os padrões de consumo de vinho responsáveis serem perfeitamente compatíveis com um estilo de vida saudável, a cultura actual do vinho tem de incluir um compromisso comum das partes interessadas, de forma a garantir que um consumo responsável e moderado permaneça a norma social.


"O consumo responsável e moderado de vinho tem de ser promovido: o vinho só é apreciado em pleno quando consumido com moderação."


04/07/2015 |
Unesco list welcomes Champagne and Burgundy
Unesco World Heritage

The famous vineyards and cellars of Champagne and Burgundy were added to the famous Unesco World Heritage List last 4 July joining other wine regions already included on the list.

01/07/2014 |
The legacy of wine in Argentina
Establecim Antonio Tomba The production and consumption of wine in Argentina dates back to over four hundred years ago when the first specimens of Vitis vinifera were brought to the Americas by the Spanish colonizers in the early 16th century.
25/06/2014 | Cultura
Italian wine region of Piedmont is added to the UNESCO World Heritage List
The heart of Piedmont is one of the latest United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization World Heritage List sites. The recognized area, which counts around 25,000 acres, includes Barolo, Barbaresco, Nizza Monferrato and Barbera, the “infernots” of Monferrato, Canelli and Moscato d’Asti and the castle of Grinzane Cavour.
Share on Facebook Share on twitter Share on google plus